sexta-feira, 11 de maio de 2018

Fluminense perde na altitude, mas avança na Sul-Americana

Mesmo sendo derrotado pelo Nacional por 2 a 0, o Fluminense conseguiu a classificação para a próxima fase da Copa Sul-Americana. 

Como havia vencido por 3 a 0 no jogo de ida, o Tricolor de Laranjeiras acabou ficando em vantagem no placar agregado.
Na partida disputada na noite desta quinta-feira no Estádio Víctor Ugarte, em Potosí, o Fluminense sentiu os efeitos da altitude de quatro mil metros e quase não criou problemas para o time da casa que teve no artilheiro Reina, autor de dois gols, seu principal destaque.

No Fluminense, o goleiro Júlio César foi o grande nome com defesas que evitaram a eliminação do Tricolor das Laranjeiras, principalmente depois que o Nacional marcou o segundo gol e partiu para tentar o terceiro que levaria a decisão para os pênaltis.. Sem forças para impor seu estilo de jogo, o time dirigido por Abel Braga apostou no esquema defensivo durante a maior parte do jogo e criou pouquíssimas chances no ataque.

O jogo – O primeiro momento de perigo foi criado pelo Nacional, antes do primeiro minuto. Meza cruzou e Perez chutou em cima da zaga. No rebote, Paniagua bateu para o gol e o zagueiro Gum, evitando o primeiro gol do time da casa. O Fluminense respondeu logo depois. Pablo Dyego investiu pela esquerda, ganhou da marcação, mas chutou fraco para defesa tranquila de Romero.

O Nacional começou com muita força ofensiva e o Fluminense não conseguia sair da defesa. Aos sete minutos, Piñero bateu cruzado e Júlio César fez grande defesa para salvar a sua equipe.

O Fluminense não conseguia se organizar e se preocupava apenas em tentar bloquear as investidas da equipe boliviana. Aos 11 minutos, o volante Jadson foi desarmado na entrada da área e acabou cometendo falta. Na cobrança, Salazar bateu colocado e a bola bateu na rede pelo lado de fora, dando grande susto no goleiro Júlio César.

A equipe dirigida por Abel Braga se mostrava totalmente desorientada em campo e quase sofre o primeiro gol aos 17 minutos em nova cobrança de falta. Reina acertou a trave defendida por Júlio César.

A primeira investida perigosa do Tricolor das Laranjeiras aconteceu aos 19 minutos em chute forte de Pedro que passou muito perto do gol boliviano. O Nacional não se assustou e Júlio César teve que se virar novamente aos 22, para defender um chute forte de Paniagua, depois de falha grotesca de Frazan.

O goleiro do Fluminense era o grande destaque da equipe brasileira. Ele voltou a salvar sua equipe aos 24 minutos, ao desviar para escanteio um chute de Reina.

O Fluminense só voltou a aparecer na área boliviana aos 39 minutos, mas Pablo Dyego chutou para fora, depois de receber bom passe. O último lance importante do segundo tempo aconteceu aos 43 minutos quando o Nacional se aproveitou da desatenção da defesa tricolor para mandar a bomba, mas a bola chutada por Reina, saiu sem levar perigo.

O Fluminense voltou para o segundo tempo com uma modificação na lateral esquerda. Ayrton Lucas saiu para a entrada de Marlon. E logo no primeiro minuto, Pedro recebeu a bola em condições de finalizar, mas tentou o drible e acabou desarmado.

Aos cinco minutos, o Nacional marcou o primeiro gol. Reina recebeu entre Frazan e Marlon e bateu cruzado, sem chances para Júlio César. Dois minutos depois, o time boliviano quase ampliou em novo chute perigoso de Reina.

Sufocado pelo adversário, o Fluminense não conseguia sair da defesa. E tomou novo susto com a cabeçada de Meza que tirou tinta do travessão.

Aos 14 minutos, o Nacional ampliou. Peres dividiu com Jadson na área e o árbitro marcou pênalti, apesar dos protestos dos jogadores brasileiros. Meza bateu no canto direito de Júlio César que saltou no canto certo, mas não conseguiu fazer a defesa.

Sem outra alternativa, o Fluminense partiu para o ataque e aos 18 minutos, Pablo Dyego desperdiçou ótima chance ao receber passe perfeito de Sornoza. Logo depois foi a vez de Pedro que chegou atrasado em cruzamento de Pablo Dyego. O goleiro Romero chegou primeiro. O Tricolor melhorou muito depois de sofrer o segundo gol. Aos 22 minutos, Robinho que entrou no lugar de Pablo Dyego, mandou uma bomba cruzada e assustou a torcida boliviana.

Os laterais do Fluminense passaram a atuar mais recuados para não dar espaços aos atacantes bolivianos. O Nacional pressionava em busca do terceiro gol que levaria a decisão da vaga para a disputa de pênaltis, enquanto o Fluminense tentava segurar sua vantagem.mantendo apenas o atacante Pedro na frente.

Aos 33 minutos, após falha de Sornoza, Gum teve que se esforçar para evitar a conclusão de Reina. Na tentativa de buscar o terceiro gol, o técnico do Nacional trocou o zagueiro Montenegro pelo atacante Velasco.

O Fluminense recuou para garantir a vaga e teve sorte aos 47 minutos quando Reina chutou forte e a bola raspou no travessão defendido por Júlio César.

FICHA TÉCNICA

NACIONAL DE POTOSÍ-BOL 2 X 0 FLUMINENSE-BRA
Local: Estádio Víctor Agustín Ugarte, em Potosí (Bolívia)
Data: 10 de maio de 2018 (Quinta-feira)
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Estebán Ostojich (Uruguai)
Assistentes: Nicolás Taran (Uruguai) e Gabriel Popovits (Uruguai)
Cartão Amarelo: Galaín(Nac) ;Richard, Gum(Flu)
Gols:
NACIONAL: Reina, aos cinco e 14 minutos do segundo tempo

NACIONAL: Romero; Saúl Torres, Torrico, Montenegro (Velasco) e Galaín; Salazar, Paniagua, Meza e Reina; Edson Pérez (Quiroga) e Piñero
Técnico: Edgardo Malvestiti

FLUMINENSE: Júlio César; Renato Chaves, Gum e Frazan; Gilberto, Richard, Jadson, Sornoza (Matheus Norton) e Ayrton Lucas (Marlon); Pablo Dyego (Robinho) e Pedro
Técnico: Abel Braga


Com informações do Notícias ao Minuto.

.texto

Nenhum comentário:

LEIA TAMBÉM