domingo, 18 de março de 2018

PSOL vai processar juíza que acusou Marielle de relação com o tráfico

Desembargadora do TJ-RJ afirmou, nas redes sociais, que a vereadora estava "engajada" com criminosos.

O PSOL planeja entrar com uma representação oficial no Conselho nacional de Justiça (CNJ) e com uma ação criminal por calúnia e difamação contra a desembargadora Marialia Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). A juíza afirmou, nas redes sociais, que a vereadora estava "engajada com bandidos".

A informação foi confirmada pelo vereador Tarcísio Motta. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Rio deve auxiliar a legenda a se manifestar oficialmente sobre o caso.

"É um absurdo esse tipo de declaração. A desembargadora deveria ter o mínimo de responsabilidade sobre a vida de Marielle, inclusive pelo cargo que ela [a juíza] ocupa", afirmou Motta ao UOL.

"Vamos entrar com uma representação no CNJ e com uma ação criminal por calúnia e difamação. Não vamos deixar que uma situação como essa sem consequência. Mancharam, absurdamente, o nome dela [Marielle]", completou.

Em nota, o Ministério Público do Rio informou que "a desembargadora Marília possui foro por prerrogativa de função no STJ [Superior Tribunal de Justiça], não tendo o MP-RJ atribuição para funcionar no caso em tela". A juíza ainda não respondeu aos pedidos de entrevista para a reportagem.

Do Notícias ao Minuto

LEIA TAMBÉM:

Desembargadora: Marielle é 'engajada com bandidos' e 'cadáver comum'

Marilia Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, fez comentários nas redes sociais

A desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), afirmou em publicação no Facebook nessa sexta-feira (16) que a vereadora Marielle Franco (PSOL), morta na quarta-feira, estava “engajada com bandidos”.

As informações são da coluna de Monica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo.

No post, uma resposta a um texto postado pelo advogado Paulo Nader, ela diz que o "comportamento" dela, "ditado por seu engajamento político", foi decisivo para o assassinato. Ela acrescenta ainda que há uma tentativa da esquerda de "agregar valor a um cadáver tão comum quanto qualquer outro".

"A questão é que a tal Marielle não era apenas uma 'lutadora', ela estava engajada com bandidos! Foi eleita pelo Comando Vermelho e descumpriu 'compromissos' assumidos com seus apoiadores. Ela, mais do que qualquer outra pessoa 'longe da favela' sabe como são cobradas as dívidas pelos grupos entre os quais ela transacionava", diz trecho do texto escrito por Marilia.

"Até nós sabemos disso. A verdade é que jamais saberemos ao certo o que determinou a morte da vereadora mas temos certeza de que seu comportamento, ditado por seu engajamento político, foi determinante para seu trágico fim. Qualquer outra coisa diversa é mimimi da esquerda tentando agregar valor a um cadáver tão comum quanto qualquer outro", prossegue a publicação.

Em declarações à coluna, a desembargadora diz que deu opinião como "cidadã". Um grupo de advogados que leu o texto começou a fazer campanha nas redes para que Marilia seja denunciada no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) por ter "ironizado" a morte de Marielle Franco. Do Notícias ao Minuto.


Nenhum comentário:

LEIA TAMBÉM