segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Rompimento com Jackson e candidatura própria ao governo são defendidos por tendência petista

A tendência petista, Articulação de Esquerda (AE), realizou encontro no último sábado, 21, na sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT), em Aracaju. O agrupamento definiu pela defesa do rompimento com o governador, Jackson Barreto, pelo lançamento de candidaturas próprias do PT em 2018 e a realização de prévias com a militância partidária para a tomada de decisões.

O documento divulgado na manhã deste domingo, 22, apresenta as pré-candidaturas do presidente da CUT-SE, Rubens Marques, conhecido como professor Dudu para governador, Joel Almeida para senador, a professora Ângela Melo para deputada federal e o vereador Iran Barbosa para deputado estadual.

O agora pré-candidato a governador, professor Dudu, disse que independente do nome, o PT deve ter candidatura própria, e que aceita perder nas prévias para um nome do PT, mas não para um nome do PMDB. “Eu coloco meu nome, à disposição, se a maioria entender que deve ser Rogério, ou qualquer ou nome, não há problemas, desde que a decisão saia das prévias. Não podemos é aceitar o apoio a um candidato do PMDB”, afirmou.

O agrupamento que detém maioria no partido e que venceu as últimas eleições internas do PT, é liderado por Rogério Carvalho, Márcio Macêdo, ambos tem defendido a permanência da aliança com o governador, na pré-candidatura de Belivaldo Chagas (PMDB).

Questionado sobre as consequências da possível manutenção desta decisão nas prévias – apoio ao PMDB – o professor Dudu foi enigmático. “Cada dia com a sua agonia, não vamos entrar numa disputa com condicionantes e sem acreditar na vitória, caso isso aconteça já estamos derrotados. Se a decisão for essa, no futuro a gente decide como proceder”, afirmou. De acordo com informações divulgadas no Fan F1.

.texto

Nenhum comentário:

LEIA TAMBÉM