segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Por ciúmes, homem confessa que matou Rosemberg Marques

Homem confessou que matou Rosemberg motivado por ciúmes da esposa.

Carluz Lima e Verlane Estácio, Infonet - Um homem identificado como Denisson da Cruz, 33 anos, foi apresentado à imprensa na tarde desta terça-feira, 7, como principal suspeito do assassinato de Rosemberg José Guilherme Marques. Ele confessou o crime e diz ter agido por ciúme de sua esposa. A vítima, que foi morta a tiros a porta de um consultório odontológico no último dia 18 de julho, cumpria pena em regime aberto por envolvimento no assassinato do ex-deputado Joaldo Barbosa.


De acordo com o delegado Kássio Viana, a Polícia Civil de Sergipe já acreditava desde o início que o caso se tratava de um crime passional. Durante as investigações, Denisson da Cruz disse que cometeu o crime porque a vítima 'ficou' com sua esposa.

"Em momento nenhum Denisson nega ser autor do crime, mas ele afirma o tempo todo que a esposa não tem nada a ver com a história. Nós ainda não podemos confirmar se a esposa tem ou não envolvilmento", explica o delegado Kássio Viana.

Conforme as investigações, após saber do relacionamento, Denisson mandou algumas mensagens a Rosemberg, que respondeu com fotos e vídeos de pessoas das quais ele dizia ter assassinado. "A polícia ainda não teve acesso a estas mensagens", revela o delegado.

Segundo a polícia, Rosemberg era amigo do casal. Um dia antes do crime, Rosemberg e Denisson se encontraram em um restaurante no bairro Coroa do meio, onde almoçaram. No dia do crime, por volta das 14 horas, Rosemberg teria ligado para Jamile Neves e sugerido que ela terminasse com Denisson. Jamile teria relatado o teor da conversa à Denisson, que saiu de casa irritado com a situação e ligou para Rosemberg para saber onde ele estava.

Ainda acordo com a Polícia Civil, por volta das 15hh10, Denisson contou que parou o carro, foi para o banco do traseiro e quando Rosemberg se aproximou, abriu a porta e efetuou os disparos. Denisson fugiu para a cidade de Propriá e durante o trajeto, ligou para Jamile e contou do crime. "Nós não temos dúvida nenhuma em relação à autoria do crime", afirmou delegado Kássio Viana.

A Polícia Civil revelou que um carro modelo Logan cor prata alugado foi usado no crime. Já se sabe quem alugou o veículo, mas não foi confirmado o envolvimento de outras pessoas. O veículo não foi encontrado e o responsável pelo aluguel será intimado para depor.

Denisson foi preso em sua casa, no conjunto Eduardo Gones. Foram encontradas 4 cápsulas de calibre 38, da arma que teria sido usada no crime. Ele disse à polícia que se desfez da arma e do celular.

Mesmo sem a confirmação do envolvimento de Jamile no crime, a polícia pediu sua prisão preventiva. A polícia diz que a suspeita do envolvimento de Jamile no crime se baseia em chamadas em conferência entre os três e por ela ter falado com a vítima minutos antes do crime. Ela tem colaborado com as investigações contando detalhes dos acontecimentos.

"Até agora nós não chegamos a um segundo suspeito e não temos a confirmação do envolvimento de Jamile. Pode ser que no final a gente chegue nessa conclusão, mas eu ainda tenho 30 dias para concluir o inquérito", finalizou o delegado.




texto

Nenhum comentário:

LEIA TAMBÉM