segunda-feira, 10 de abril de 2017

Doria diz que pretende ouvir Alckmin, mas também os eleitores

Prefeito de SP diz que levará em conta rejeição a candidatura sua em 2018.

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta segunda-feira que pretende sempre ouvir seu padrinho político, o governador Geraldo Alckmin, mas também seus eleitores, sobre possíveis disputas eleitorais em 2018. Doria se pronunciou sobre o assunto durante coletiva de imprensa onde apresentou um balanço dos 100 dias de governo e após pesquisa Datafolha, divulgada no fim de semana, que mostrou que para 55% dos moradores de São Paulo ele não deveria concorrer a cargos públicos em 2018. Doria voltou a dizer seguirá Alckmin.



— Sou leal hoje, fui ontem e estarei sempre. Tenho que ouvi-lo sim, e a população também — frisou.

Ainda sobre a pesquisa, que apontou que a rejeição à sua gestão subiu para 20%, Doria admitiu que precisa identificar erros.

— (A rejeição) em parte tem motivo ideológico, porque movimentos como PT e PSOL veem um antagonismo claro entre meu governo e o que eles apoiaram, e que não deu certo, mas há problemas que precisamos identificar e agir. É preciso trabalhar com humildade e não se deixar envaidecer.

No fim de semana, em entrevista ao “Estado de São Paulo”, o prefeito admitiu pela primeira vez concorrer ao governo de São Paulo, se Alckmin pedisse.

Para uma plateia de cerca de 300 pessoas, entre políticos, taxistas e eleitores, Doria apresentou 60 programas e metas a cumprir. Prometeu zerar fila de espera por vagas em creches, “resolver o problema da Cracolândia” e fazer espaços para cachorros em 20 parques da cidade, os chamados “Pet Parques”. A maioria dos programas apresentados, frisou Doria, financiada pelo setor privado.

— Agradeço à minha competente equipe e ao setor privado, que tem respondido aos apelos sem nenhuma contrapartida.

Doria aproveitou para destacar o que considera feitos de seu governo, como os programas Cidade Linda, Calçada Nova e Corujão da Saúde, que reduziu filas para exames.


O Globo

texto

Nenhum comentário:

LEIA TAMBÉM